Um novo ilhéu

Nem só de colonial é feita a referência de arquitetura na Ilha de Santa Catarina. A forte presença das construções portuguesas vai além das janelas em arco e doces telhados de curtos beirais. A beleza das pedras nas fortalezas espalhadas pela ilha não sai facilmente da memória de quem as avista, anda por elas, passa por baixo…


 Taipa de pedra presente nos ambientes internos. 

Nesta casa, de formas geométricas rígidas e desenho moderno, a presença da cultura local é forte, desde a chegada, até os espaços internos, onde a pedra é presente. A singularidade também – na vela simulada ao lado da caixa d’água, um símbolo do hobby do proprietário.

 
Maquete eletrônica

No piso superior, a família tem sua tranqüilidade, sua privacidade – quartos se comunicam pela sala de TV, aonde a integração com o escritório não deixa os pais se afastarem dos filhos nas poucas oportunidades de convívio.

 

 Os jardins vistos de dentro da casa. 

 A moradia em Florianópolis ganha novos contornos com a evolução da sua população. Nesta casa, projetada pelos arquitetos Henrique Pimont e Marcos Antonio Martins, em condomínio fechado, há espaços para conviver, receber e festejar, com praticidade e integração na disposição dos ambientes. No térreo todos os espaços se integram, se completam – da piscina, à cozinha, do piano à mesa de jantar.

Piscina moldada nas pedras existentes no terreno

E ainda, a vista – do terraço se vê até os barcos na prainha de Santo Antônio.