Mercado São Jorge Bocaiúva

A nova loja do Mercado São Jorge, num desdobramento mais urbano do projeto do Mercado original, assumiu uma fórmula mais enxuta, gourmet, adequada à sua repetição e implantação em áreas urbanas mais densas. 

O projeto buscou ser sustentável todo o tempo, fazendo o mínino, mas não pouco. Trocar o telhado antigo, que funcionava, pela nova cobertura elevada, não foi pouco, mas era o mínimo que precisávamos para dar ao espaço as qualidades que buscávamos, de amplitude e iluminação natural. As janelas de demolição, referência trazida do Mercado original, foram usadas aqui no vão superior da cobertura pela necessidade de filtrar a luz solar.

Dentro do conceito de “mercado de bairro”, a loja apresenta um mix de produtos mais selecionado e abrangente, sem perder o foco inicial de alimentação saudável e produtos orgânicos, mas agregando os produtos “gourmet”, como os vinhos.

Uma frase do arquiteto espanhol Rafael Moneo, retirada de um livro de entrevistas ajudou a conceituar esse projeto “Eu quero fazer uma arquitetura que se afaste de um mundo artificial”


No projeto, procuramos todo tempo fugir de sintéticos e usar materiais naturais. Isso tanto por um gosto pessoal, pela textura, cor, cheiro original dos materiais, quanto pela lógica interna do projeto e do negócio, de vender alimentos de verdade, num espaço de verdade.


Pisos de ardósia natural e madeira de demolição, prateleiras maciças de angelim e balcões de mármore se aliam aos tijolos maciços originais deixados à vista para transparecer o espírito do Mercado.

O espaço de alimentação propriamente dito não poderia faltar e está lá nos fundos da loja, iluminado por um pátio aberto, onde um jardim vertical se aproveita da luz natural e traz a vegetação para dentro do espaço.

 Fotos André Moecke e arquivo